Fortuna

por Rodrigo Della Santina

Observo, de longe, uma gota de orvalho que despenca da folha e morre na terra. Um buraco se abre em meu peito, como um infarto. Eu me curvo em dor, e meus olhos imaginam ― como um sonho ― o deus do tempo devorando o próprio pé.

Anúncios